quinta-feira, 4 de Novembro de 2010

Aconselhamento psicológico no ensino primário, básico e secundário

Introdução


O presente trabalho enquadra-se no contexto da cadeira de Aconselhamento Psicológica e aborda o tema “aconselhamento psicológico no ensino primário, básico e secundário”.
O trabalho tem como objectivo geral: analisar o aconselhamento psicológico no ensino primário, básico e secundário.  
Tem como objectivos específicos: caracterizar o aconselhamento psicológico no ensino primário, básico e secundário na perspectiva africana; identificar o grupo alvo em cada nível de ensino e objectivos do aconselhamento; e comparar os modelos de aconselhamento nos três níveis de ensino, indicando aspectos comuns e divergentes.
 A metodologia usada para elaboração deste trabalho foi a consulta bibliográfica cujo autor consta na página reservada à bibliografia.






I - Aconselhamento Psicológico no ensino Primário, Básio e Secundário

1.1   Aconselhamento psicológico  no ensino Primário

1.1.1        Objectivos

A orientação e o aconselhamento no ensino primário visa ajudar a prevenir problemas com os quais as crianças se podem deparar no funturo.  Alguns destes problemas, incluem dificuldades de aprendizagem e um comportamento desviante.  Assim, a orientação e aconselhamento psicológico no ensino primário visa a  detenção precoce e a prevenção dos problemas, pois  quanto  mais cedo se identifica um problema de comportamento nas crianças, mais depressa o aconselhamento pode ser providenciado  para resolver o problema. Mwamwenda (2004:342)
Para além dos objectivos acima descritos,  o aconselhamento visa também descobrir as habilidades que cada criança possui, seus interesses, e prestar esclarecimento sobre as oportunidades que o sistema de ensino oferece, bem como sobre as profissões, em geral.     
1.1.2        Grupo alvo
O ensino primário referido pelo autor, corresponde ao actual ensino básico no Sistema Nacional de Educação  em Moçambique, isto é da 1ª à 7ª Classe, que congrega crianças com idades compreedidas entre 6 à 12 anos.
1.1.3        Carcateristicas do aconselhamento  psicológico
A orientação e o aconselhamento psicológico no ensino primário abrange  4 áreas, nomeadamente, pessoais, sociais, vocacionais, e educacionais. Mwamwenda (2004:342)

a)      Orientação e aconselhamento pessoal


Nesta área, a orientação e o aconselhamento incide sobre os problemas pessoais que as crianças vivem, tais como sentimentos de solidão, de indecisão, de inadequação, de rejeição, de ódio e apatia por si mesmas, de inferiori dade, entre outros.
Neste contexto, o trabalho do orientador é de ajudar o aluno a combater estes aspectos de comportamento  negativos e transformá-los numa perspectivas de si mesmas, sendo esta uma das principais responsabilidades, quer dos orientadores, quer dos professores. Mwamwenda (2004:342)
b)     Orientação e aconselhamento social e emocional

Esta orientação visa responder aos problemas que advém da interacção com outras crianças, professores, pais, irmãos, e vários membros da comunidade, pois, em face dessas interacções, as crianças podem sentir a satisfação social e emocional, como também podem sentir dificuldades. Mwamwenda (2004:343)
Segundo a fonte, para além dos problemas sociais e emocionais  acima descritos, o orientador pode deparar com problemas anti-sociais, que incluem roubar, vandalismo, copiar nos testes e exames, e mentir. Nestes casos, o orientador deve procurar identificar a causa de tais comportamentos e encontrar uma solução para o problema.
c)      Orientação e aconselhamento vocacional

Partindo do pressuposto de que as crianças estão familiarizadas com a ideia de uma vocação, a partir de observação que fazem aos pais e familiares em geral, professores e outros, é necessário que o programa escolar familiarize os alunos com o mundo de trabalho, para que elas possam desenvolver a atitude e o conhecimento necessários enquanto crescem. Mwamwenda (2004:342)
Segundo a fonte, a ênfase  deve residir na exploração das oportunidades de emprego, mais do que numa selecção específica de emprego, através das áreas de interesse vocativo.
d)     Orientação e aconselhamento educativo
Nesta área o orientador se dirige aos problemas do trabalho escolar, os quais pode incluir os problemas educativos, actividades baseadas na profissão, competências de estudo, educação sexual e a forma como se avaliam os interesses e os exames.
O trabalho consiste em ajudar os alunos que setem problemas com o seu trabalho escolar e de encorajar aqueles que estão menos motivados no seu trabalho escolar; aqueles que vão bem devem ver o ser desempenho reforçado.  No entanto, sejam quais forem os problemas educativos com que os alunos possam se deparar, eles têm de ser encaminhados e tratados. Para tanto, o orientador deve ter em mente que muitos problemas educativos não surge isoladamente, por isso, a casa, a escola, as comunidades, e os próprios amigos podem ser a causa desses mesmos problemas. Mwamwenda (2004:342)

1.2 - Aconselhamento Psicológico no ensino básico
1.2.1        Objectivos
Para além de ajudar a prevenir problemas com os quais as crianças se possam deparar no funturo, o aconselhamento psicológico no ensino básico tem como objectivo proporcionar às crianças mais informações sobre o mundo de trabalho; ajudar os alunos a lidar com as mudanças físicas pelas quais estão a passar; desenvolver um sentido de responsabilidade e independência; entre outros.  
1.2.2        Grupo Alvo
Segundo o novo Sistema Nacional de Educação, o ensio básico corresponde ao ensino secundário geral do 1º ciclo, ou seja, da 8ª à 10ª Classe.
1.2.3        Carcaterística do aconselhamento psicológico
À semelhança do ensino primário, muitos dos problemas com que os alunos do ensino primário e secundário se deparam são partilhados pelos alunos do ensino básico. Portanto, a  orientação e o  aconselhamento psicológico no ensino básico  abrange  4 áreas, nomeadamente, pessoais, sociais, vocacionais e educacionais, cujas características são as mesmas em todos os níveis de ensino.
Outrossim, enquanto o orientador lida com alunos, ele deve consultar outra figura de autoridade dentro da escola e da comunidade. Para o efeito, deve trabalhar em conjunto  com os professores para encontrar formas apropriadas de solucionar alguns problemas que os alunos possam apresentar, seja no seu trabalho na escola, seja nas relações inter-pessoais.

1.3  Aconselhamento Psicológico no ensino secundário

1.3.1 Objectivos

No ensino secundário, o aconselhamento visa preparar os alunos para o ingresso no ensino superior, prestando-lhes esclarecimentos sobre os cursos superiores disponíveis nas universidades moçambicanas, as habilidades necessárias para cada curso e  sua aplicabilidade tendo em conta o mercado de trabalho em moçambique.
Para além de preparação dos alunos para o ingresso no ensino superior, o orientador tem a tarefa de  auxiliar os estudantes a escolherem uma profissão em função das suas habilidades e interesses, prepararem-se para a mesma, e nela ingressarem e progredirem.
1.3.2 Grupo alvo

O ensino secundário, na perspectiva do autor, refere-se ao 2º ciclo do ensino secundário geral no Sistema Nacional de Educação em Moçambique, neste caso a 11ª e 12ª Classes.


1.3.3 Características do aconselhamento psicológico


A orientação e aconselhamento ao nível do ensino secundário difere dos do nível primário e básico, por tratar-se do período de transição que os alunos da escola secundária vivem assim que entram na fase adulta. Na área de orientação profissional, os alunos deparam com a realidade tangível de se juntarem ao mundo de trabalho ou de prosseguirem programas que os irão preparar para a força do trabalho.  Noutras áreas como a orientação e aconselhamento educacional, pessoal e social, eles assumem um maior nível de independência e responsabilidade que inclui a interiorização dos valores humanos e o desenvolvimento de uma filosofia de vida pessoal. Mwamwenda (2004:345)

1.4  Análise comparativa do aconselhamento nos três níveis de ensino


N0
Níveis
Aspectos comuns
Aspectos divergentes


01


Primário


Muitos dos problemas com que os alunos se deparam são comuns nos 3 níveis de ensino;
A orientação e o aconselhamento  ocorre em 4 áreas: pessoais, sociais, vocacionais, e educacionais;
Alguns problemas dos estudantes do  podem ser solucionados através de um aconselhamento individual, e outros através de um aconselhamento em grupo;
Em ambos os níveis o orientador pode se deparar com casos de comportamentos anti-sociais, que incluem roubos, furtos, vandalismo, consumo de drogas, copiar nos testes e no exame, entre outros.  
Em ambos os níveis o orientador trabalha com os professores, com os pais, e com os próprios alunos, de forma a encontrar soluções para os problemas existentes.
Maior ênfase na prevenção de problemas, isto é, ajudar a prevenir problemas com os quais as crianças se podem deparar no funturo;
Ênfase na exploração das oportunidades de emprego, do que numa selecção específica de emprego.



02



Básico

Maior esclarecimento e orientação sobre o mundo de trabalho; Auxilio na escolha de uma determinada profissão e seu acompanhamento;
Maior esclarecimento sobre as transformações físicas em curso no organismo dos alunos;

03

Secundá
rio

A orientação e aconselhamento no ensino secundário difere dos do nível primário e básico, por tratar-se do período de transição que os alunos da escola secundária vivem assim que entram na fase adulta;
O aconselhamento educacional, pessoal e social assumem maior independência e responsabilidade, que inclui a interiorização de valores humanos. 


Conclusão
O aconselhamento psicológico no contexto educacional é um processo de auxiliar a criança/estudante a escolher uma profissão, a preparar-se para a mesma, e nela ingressar e progredir em função das suas habilidades, capacidades e interesses.
Portanto, os serviços de aconselhamento psicológico no contexto educacional, devem proporcionar aos alunos descobrir  e usar seus dotes naturais de modo que possam viver, assim tirarem o máximo proveito para si e para a sociedade onde se encontram inseridos.
No entanto, é importante que a orientação e aconselhamento sejam introduzidos o mais cedo no ensino primário, para que as crianças possam encontrar soluções dos seus problemas, pois, tal como os adultos, as crianças têm os próprios problemas que requerem aconselhamento e orientação ao seu nível, e a criança, mesmo com muita pouca idade, é encorajada a ter um papel integral no planeamento das formas de resolver seus problemas. 
As áreas de intervenção nos três níveis de ensino são comuns, nomeadamente,  pessoais, sociais, vocacionais, e educacionais. Porém, chama-se atenção ao papel do orientador para procurar solucionar o problema tendo em conta o nível de desenvolvimento psicomotor da criança, pois o tratamento a ter com uma criança do ensino primário não será o mesmo com um aluno do ensino secundário, pese embora o problema seja semelhante.
Entretanto, o aconselhamento psicológico e orientação no ensino secundário, difere dos restantes níveis de ensino, pois trata-se do período de transição que os alunos da escola secundária vivem assim que entram na fase adulta, dai que o aconselhamento deve proporcionar aos alunos para que após a conclusão do ensino secundário possam ocupar o lugar que lhes espera na sociedade, e nela possam progredir, como resultado de todo o processo de formação instrução que decorreu durante os 12 anos de escolarização.   



Bibliografia
MWAMWENDA, Tuntufye, (2004), Psicologia Educacional: Numa perspectiva Africana, Texto Editores Lda, Edição hoje, Moçambique.  





Sem comentários:

Enviar um comentário